Perguntas Frequentes

O que o IRS faz?

Programa Despertando Talentos

Responsável por identificar e encaminhar crianças com indicadores de Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD), da rede municipal do Rio de Janeiro e instituições beneficentes de ensino, para o processo de seleção do IRS, com vista ao ingresso no Programa Desenvolvendo Talentos.

 

Programa Desenvolvendo Talentos

Os selecionados são convidados a participar, por três anos, do Programa Desenvolvendo Talentos, que busca ampliar seus conhecimentos através das Oficinas de Criação, Codificação, Empreendedorismo, Robótica e Oficinas Complementares de Desenho, Jornal, Teatro e Xadrez. 

O IRS oferece também bolsas de estudo de Inglês, dependendo do desempenho do jovem. 

 

Preparatório IRS

Disponibilizado na sede do IRS desde 2006, o Preparatório IRS tem como principal objetivo proporcionar o aprimoramento acadêmico de crianças e jovens através de reforço de matemática e português, que visa à participação em concursos para escolas de excelência. Assim, o IRS visa apoiar a busca pelo acesso a educação formal e contribuir para que haja uma maior igualdade social, por meio da ampliação do número de crianças e jovens aptos a ingressar em escolas de excelência.

Quais são os principais sinais de Altas Habilidades/Superdotação?

Existem muitos sinais e muitas características, porém as mais comuns são:

  •       Aprende conteúdos com rapidez e tem alta capacidade para lembrar dados, acontecimentos etc.;
  •       Amadurecido para a idade;
  •       Vocabulário mais avançado que pessoas da mesma faixa etária;
  •       Leitura e compreensão com facilidade;
  •       Experimentação para resolver problemas;
  •       Preferência por brincar com crianças mais velhas;
  •       Grande sensibilidade;
  •       Curiosidade intelectual;
  •       Compaixão com animais e pessoas;
  •       Aprecia quebra-cabeça, labirintos e números;
  •       Questiona autoridade;
  •       Alto nível de energia;
  •       Talento em música, artes, dramatização ou dança;
  •       Senso de humor;
  •       Colecionar e organizar pedras, insetos e outras coisas.
Crianças com AH/SD podem apresentar dificuldades de adaptação social? Quais?
  •       Recusa em fazer trabalhos escolares repetitivos e rotineiros;
  •       Falta de desafio no trabalho escolar; hábitos de estudo ruins;
  •       Pressão à conformidade: esconder talentos para ser aceito pelos pares;
  •       Dificuldades em aceitar críticas;
  •       Dificuldades nos relacionamentos sociais e isolamento dos pares;
  •       Não-conformidade e resistência à autoridade;
  •       Frustração intelectual na vida diária.
Meu filho pode ser indicado para o IRS?

O IRS atende crianças e jovens com AH/SD provenientes de famílias de baixa renda. O ingresso das crianças se dá em três momentos: candidatos que estejam cursando o 2º, 6º ou o 9º ano do Ensino Fundamental (EF) poderão ser indicados para ingresso no 3º, 7º ano e Ensino Médio no ano subsequente, permanecendo por três anos no IRS. Caso você resida no Rio de Janeiro, seu filho esteja matriculado na rede pública municipal do Rio de Janeiro, instituição beneficente de ensino, escola federal ou seja bolsista em escola particular, se enquadre nos anos escolares sinalizados acima e sua família tenha renda per capita comprovada de até um salário-mínimo e meio estadual e tenha uma renda familiar de até três salários-mínimos estadual, por favor, envie um e-mail para selecaoirs@irs.org.br com o nome, idade, ano escolar, colégio do seu filho/filha, identificando o interesse no processo de seleção.

Como as crianças ingressam no Instituto?

As crianças com indicadores de AH/SD são indicadas para o processo de seleção do IRS por professores de escolas, capacitados pelo IRS para identificar crianças com indícios de superdotação. Os indicados passam pela seleção, que se divide em quatro etapas: avaliação acadêmica (português e matemática), autoavaliação comportamental e social, entrevista social com a família; além de entrevistas e testes realizados por psicólogos para identificar sinais de altas habilidades. Caso seja comprovada renda per capita de até um salário-mínimo e meio estadual e tenha uma renda familiar de até três salários mínimos estadual, e a criança seja aprovada nos testes psicológicos, ela é convidada a ingressar no Programa Desenvolvendo Talentos. 

 

O Instituto capacita professores de escolas da rede pública e particular para identificar crianças com indícios de altas habilidades. Os professores observam as crianças durante o ano letivo e indicam para o processo de seleção do IRS, que acontece sempre em datas regulares, duas vezes por ano, para ingresso no ano seguinte. O ingresso das crianças se dá em três momentos: candidatos que estejam cursando o 2º, 6º ou o 9º ano do Ensino Fundamental (EF) poderão ser indicados para ingresso no 3º, 7º ano e Ensino Médio no ano subsequente, permanecendo por três anos no IRS.

 

As crianças indicadas passam pelas seguintes etapas:

  • Provas de Português e Matemática; 
  • Auto avaliação 5Cs a partir dos 10 anos; 
  • Entrevista da família com a área de Serviço Social; 
  • Entrevista e testes com a área da Psicologia;

 

Caso seja comprovada renda per capita de até um salário-mínimo e meio estadual e tenha uma renda familiar de até três salários mínimos estadual, e a criança seja aprovada nos testes psicológicos, ela é convidada a ingressar no Programa Desenvolvendo Talentos. 

Acho que meu filho é superdotado. O que devo fazer?

Procure observar mais atentamente o comportamento do seu filho(a) e analise se estão presentes algumas das características que citamos acima. Caso as identifique ou fique em dúvida, procure conversar com a equipe escolar da instituição onde ele(a) estuda para procurar saber quais comportamentos ele(a) apresenta na escola e o que a instituição pode oferecer ao seu filho caso seja identificada as Altas Habilidades/Superdotação.

 

Uma segunda alternativa é entrar em contato com o CONBRASD (Conselho Brasileiro para Superdotação), que é o órgão nacional mais apropriado para recomendar a rede de referência local para o atendimento individual. Desta forma o seu filho(a) poderá receber a avaliação adequada das suas habilidades e possivelmente participar de alguma instituição que ofereça educação suplementar para alunos superdotados na sua cidade.

Como surgiu o IRS?

O Instituto Rogerio Steinberg (IRS), instituição sem fins lucrativos voltada a causa das Altas Habilidades/Superdotação, iniciou suas atividades em 1998, a partir da iniciativa de Clara Steinberg, renomada engenheira do ramo da construção civil. A Instituição homenageia o filho de Clara e Jacob Steinberg, seu parceiro durante toda a vida. Rogerio Steinberg, publicitário reconhecido nacional e internacionalmente, foi vítima de um acidente automobilístico aos 34 anos de idade, em 1986.

 

Para Clara Steinberg, a morte de seu filho se tornou um caminho para o início de um novo ciclo. A atuação do IRS foi planejada a partir de reuniões periódicas, ao longo de 1996 e 1997, com a participação de especialistas em Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD), para criação de um programa no qual as aptidões naturais de crianças e jovens pudessem ser identificadas e estimuladas, viabilizando oportunidades para que pudessem exercer seu papel na sociedade. A proposta foi estabelecer uma parceria entre o IRS e as escolas públicas e instituições beneficentes de ensino do Rio de Janeiro, oferecendo atividades complementares à educação formal, por meio da identificação e o desenvolvimento de crianças e jovens talentosos que não dispunham das mesmas condições de acesso à educação que o seu filho Rogerio teve à época para se desenvolver. Com o foco em crianças superdotadas, o Instituto foi o primeiro projeto social a trabalhar a questão das altas habilidades, Superdotação e talento no Rio de Janeiro. Clara entendia que se colocasse crianças e adolescentes carentes superdotados num caminho que não fosse o do crime – trilha para a qual poderiam facilmente ser levados, pela proximidade e facilidade –, estaria fazendo algo importante.

Quem foi Clara Steinberg?

Clara Steinberg, fundadora do IRS, foi engenheira do ramo da construção civil, que executou ao longo de sua trajetória, inúmeras ações em prol da diminuição das desigualdades sociais no país.

O interesse e o empenho de Clara Steinberg sempre foram além do ambiente de trabalho. A construção do Centro Comunitário da Rocinha, a recuperação da oficina Artes Maria Tereza Vieira e a reforma no Colégio Pedro II foram responsabilidade da empresária sempre apoiada pelo seu marido Jacob Steinberg, presidente do Grupo Servenco. Entre 1992 e 2004, fundou e presidiu a fundação Banco da Mulher. Além disso, como voluntária, criou e dirigiu por dez anos a Escolinha de Artes da Escola Eliéser Steinbarg, que oferecia aos alunos, atividades complementares em arte, esporte, música e jornal.

Quais sãos os principais números do IRS?

Em 2020:

  • 335 crianças e jovens estão matriculados no Programa Desenvolvendo Talentos.
  • 110 estão matriculados no curso de Inglês na Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa com bolsa integral. Desde 2013, 50 participantes do IRS já concluíram o curso Master em inglês. 
  • 181 jovens e adultos estão em universidades de excelência identificados até o primeiro semestre de 2019. Deste cenário, 61 jovens já estão formados. 
  • Cerca de 1.000 crianças já passaram pelo IRS.
Como funcionam as Oficinas?

No 1º e 2º ano de atendimento no Instituto, os participantes do 3º e 4º ano do EF realizam as Oficinas de Criação e Codificação e, no último ano de atendimento, cursam o Preparatório, que consiste em atividades de reforço em português e matemática. 

No atendimento aos participantes do 7º e 8º ano do EF, nos primeiros dois anos no IRS, os jovens realizam Oficinas de Robótica e Empreendedorismo. No último ano de atendimento, também fazem o Preparatório visando concursos para escolas de excelência. O programa também oferece Oficinas Complementares de Desenho, Artesanato, Desenvolvimento Expressivo, Jornal e Xadrez. 

No 1º ano de atendimento para os participantes do Ensino Médio, as atividades oferecidas são: Programação com Arduíno, Programação WEB, Oficina de Empreendedorismo, Oficina do Desenvolvimento Positivo e SESI Matemática. No 2º ano de atendimento, os jovens realizam Oficina de Robótica, Desenvolvimento Positivo e SESI Matemática. 

 

O novo formato das oficinas tem como objetivo desenvolver conhecimentos e conceitos de Matemática, Tecnologia, Engenharia, Artes e Ciências, dando uma base importante para que os jovens sejam bem-sucedidos em qualquer carreira do século 21. O IRS oferece também bolsas de estudo de Inglês, dependendo do desempenho do jovem.

Como funciona o relacionamento com os egressos (ex-participantes) do IRS?

O atendimento ao superdotado pelo IRS não se limita aos anos que os jovens participam do Programa Desenvolvendo Talentos. Anualmente, o Instituto mapeia os egressos que estão inseridos no mundo acadêmico. Nas universidades, os cursos escolhidos pelos ex-participantes são diversos: de Engenharia de Telecomunicação a Medicina, de Química a Jornalismo, de Ciências Econômicas a Ciências Sociais. 

Em 2019, o IRS conta com 175 egressos que estão cursando ou já são graduados em universidades de excelência, como PUC-Rio, URFJ, UERJ, USP e até internacionais como University of Montana e University of Illinois.

Por que os superdotados precisam de atendimento educacional especial, eles não sabem tudo?

A ideia de autossuficiência associada às pessoas com Altas Habilidades é incorreta, pois assim como os jovens diagnosticados com algum tipo de deficiência, os superdotados precisam de adequações curriculares para que suas necessidades particulares sejam atendidas. Ou seja, o superdotado apresenta mais facilidade do que a maioria em determinadas áreas, porém precisa de mais estímulo para manter o interesse pela escola, estimulando seu desenvolvimento e seu processo acadêmico. Quando bem atendido, o superdotado passa a conhecer suas potencialidades, limitações e habilidades.

As crianças superdotadas são metidas a “sabichonas”?

Não. O que acontece é que o superdotado é mais curioso e aprende mais rápido que os demais alunos. Isso pode fazer com que ele se destaque em determinados assuntos em sala de aula, às vezes até mais do que os professores. A busca constante por novas informações geralmente incomoda ou atrapalha o ritmo da aula. Isso causa a errada impressão de que estão querendo aparecer ou se mostrar sabichões.

Apenas as crianças de classe socioeconômicas privilegiadas possuem Altas Habilidades/Superdotação?

Não, a superdotação pode estar presente em pessoas de qualquer raça, cultura ou proveniência socioeconômica. O que normalmente acontece é que existe maior visibilidade entre as classes mais favorecidas, devido ao maior e mais fácil acesso ao desenvolvimento das Altas Habilidades e um ofuscamento nas classes mais desprivilegiadas, pela falta de oportunidades. Por isso a importância do trabalho que o IRS realiza: desenvolver talentos de crianças e jovens talentosas, provenientes socialmente vulneráveis.

Tudo é mais fácil para o superdotado?

Por apresentarem maior facilidade de aprendizado em algumas áreas, há uma crença de que o superdotado não precisa fazer esforço ou procurar soluções para os desafios que encontra. No entanto, sabe-se que o envolvimento com a tarefa e o esforço pessoal são fundamentais para o desenvolvimento de suas habilidades. Pessoas com altas habilidades não são melhores nem piores que os outros, apenas são diferentes, no agir, no aprender, no raciocinar e no reagir.

CONHEÇA ROGERIO STEINBERG:

Saiba tudo sobre a vida deste publicitário, criativo e revolucionário.
Acesse: rogeriosteinberg.com.br

CONTATOS:

  (21) 2529-8011 / 2239-0448

  Rua Jardim Botânico, 116
Jardim Botânico, Rio de Janeiro
CEP: 22461-000

institutorogeriosteinberg@irs.org.br

Desenvolvido com pela Agência Cibele